Na cooperação técnica e suporte às OSCs de combate à pobreza, especialmente aquelas ligadas à economia solidária e à Pastoral da Criança (criança 0-6 anos), a FGEB contribui com a sistematização e análise de modelos inovadores nestas áreas. Além da assessoria direta à Coordenação Nacional da Pastoral da Criança na elaboração de propostas para melhoria do sistema de controle social e de acompanhamento, a FGEB apoia o programa Vencer Juntos em seu processo de autonomização e já realizou o mapeamento de fundos solidários nos 9 estados do NE.

O tema da Geração de Renda está presente na Agenda da FGEB como forma de tratar das questões de pobreza urbana e das estratégias de sobrevivência de grandes grupos populacionais.

A história das migrações do Brasil, nas últimas décadas, mostra que milhões de nordestinos têm migrado para o Sudeste e região Amazônica. Segundo o IBGE Censo de 1990, a população do Nordeste era de 50 milhões. Deste número, 18 milhões correspondem, à zona de caatinga, dos quais 8 milhões vivem em áreas rurais, fazendo com que o Nordeste possua 50% da população rural do país. Esta região tem uma área equivalente a cerca de 18% da área territorial brasileira

. É uma região caracterizada pela pobreza, e dois terços de sua área são periodicamente assolados por prolongados períodos de seca - o que contribui para o agravamento desta situação.Neste sentido, o trabalho da FGEB tem sido o de elaborar estratégias para uma convivência saudável entre os indivíduas que permanecem no Nordeste com seu meio ambiente - minimizando os efeitos da seca e gerando alternativas de sustentabilidade com os recursos disponíveis na região -, além de defender projetos para a melhoria das condições de vida dos que deixam suas cidades natais para "tentar a sorte" nos centros urbanos - quanto a este foco a FGEB tem trabalhado a questão do micro-crédito como forma de viabilizar o crescimento deste grupo populacional.